Archive for abril, 2012

Escolhas

terça-feira, abril 24th, 2012

 

O que você escolheu para hoje?

Eu escolhi não destruir meus alicerces. Sim, exatamente. Escolhi não retirar aquilo que me sustenta porque se eu assim fizer vou cair. Escolhi preservar a todo custo algo que me é muito caro (na verdade não tem preço que pague): A minha paz. Decidi acreditar que eu não tenho problemas (na verdadeira acepção da palavra, pois sei que tudo tem solução), mas que as pessoas que me cercam estão cheios deles e que eu posso ajudar (se eu quiser).

Decidi que nada e nem ninguém vai conseguir interferir no meu caminho rumo a felicidade plena. Ah sim, está muito longe de conseguir, mas se eu pensar assim desisto de lutar. Então escolhi acreditar que esta felicidade plena está ao meu alcance (HOJE!). Isto me faz forte o suficiente para ao menos tentar. No fim do dia eu escolho acreditar que se hoje não alcancei esta tão almejada felicidade é porque eu tenho de lutar mais um pouquinho. Então amanhã será um novo dia com novas oportunidades para isto.

Escolhi amparar as pessoas que não acreditam em nada disto. Isto não me torna uma pessoa melhor, mas com certeza eu consigo amenizar o sofrimento de alguém.

Minhas escolhas hoje estão baseadas no meu objetivo final, que é ser feliz. Mas se eu escolher o caminho que torna as outras pessoas infelizes a minha felicidade será temporária. Então eu não quero isto.

Dedici acreditar que as pessoas não possuem obrigações comigo, que todos são livres para ir e vir. E aí eu escolhi aceitar que estas pessoas se vão e aceitá-las de volta quando decidirem voltar. Elas não me devem lealdade assim como eu não devo a elas.

Comecei enxergar que as pessoas são falíveis e que sempre irão trair a minha confiança, mas após enxergar isto percebi que elas possuem este direito. O que não quer dizer que continuarão serem merecedoras de minha confiança, mas não se tornam merecedoras de minha inimizade. Simplesmente são pessoas como qualquer outra, todas preocupadas apenas consigo mesmas.

Decidi não me defender de nada. Aliás, qual é a utilidade de se defender? Nunca iremos conseguir fazer isto sem nos prejudicar. As vezes o mal que queremos defender acontece justamente porque nos defendemos. Então escolhi viver a vida de forma despreocupada.

Escolhi acreditar nas pessoas e se elas não forem dignas não foi exatamente eu quem saiu perdendo. Na verdade quem faz algo de errado é que sempre serão considerados derrotados.

Escolhi acreditar também que a verdadeira força não está exatamente em deitar o oponente, mas em evitar o confronto. Me chamam de covarde ou de qualquer nome que o valha? Fiquem a vontade, escolho não dar atenção a isto porque eu sei a verdade sobre mim e não existe ninguém capaz de me fazer acreditar no contrário.

Vamos! Junte-se a mim… Escolha ser feliz! Problemas? Ah, até que existem, mas eu finjo que eles não estão aí e procuro fazer o certo… Assim eles são resolvidos sem que eu gaste a minha preciosa paz.