Retrospectiva

 retrospectiva.jpg

Julio Cesar, antigo imperador romano, disse uma frase que traduz esta minha restrospectiva: Veni, vidi, vici (traduzindo: Vim, vi, venci).
 
Sou um observador do comportamento humano e isto não me faz um psicólogo ou qualquer coisa que o valha. Mas me dá elementos para entender comportamentos, atitudes e pessoas.
 
Nesta minha constante observação faço comparações comigo mesmo para o meu próprio aprimoramento.
 
Vi, neste ano de 2010, pessoas que lesaram as outras (e até a mim mesmo) sem o menor peso na consciência. Passei a me observar quantas vezes eu passo por cima daquilo que considero certo para satisfazer minhas vontades pueris.
 
Vi pessoas sendo agressivas com os outros (e também comigo mesmo) achando que estavam certas e por isto podiam agir como bem quisessem. É claro que lembrei das vezes que sou igualmente agressivo e muitas vezes sem justificas plausíveis (como se isto fosse justificável).
 
Vi pessoas magoando os outros (e a mim mesmo) por extrema falta de maturidade. Me serviu para lembrar das vezes que coloco os meus interesses na frente das necessidades emergenciais dos outros.
 
Vi pessoas que apesar de terem tido diversas oportunidades de aprendizado não aproveitaram (por diversos motivos). Me fez recordar as vezes em que recusei a fazer o que era certo para dar lugar àquilo que (hoje) considero questionável.
 
Vi pessoas se compromentendo com promessas que elas próprias sabem que não conseguirão cumprir. Me remeteu a todos os meus fracassos sem atitudes. Aquelas propostas de renovação que eu deixei de lado porque estava com preguiça.
 
Vi pessoas que se embrenharam no caminho que considerava errado mas que no final foram felizes. Me serviu para ver que existem pontos de vista diferentes do meu e que são igualmente dignos de todo respeito.
 
Vi pessoas que tomaram atitudes precipitadas sem um mínimo de informação. Recordei das inúmeras vezes em que agi impensadamente em prol de algo que sequer conhecia. Bastou um mínimo de informação para que eu mudasse radicalmente de opinião.
 
Vi pessoas valorizando o dinheiro acima de tudo e deixando de lado coisas que são bem mais duradoras. Olhei para meu passado me enxergando desprezando pessoas por causa de coisas.
 
Mas vi coisas boas também… O que me deixa aliviado…
 
Vi pessoas percebendo o erro e dando a volta por cima. Me deram um bom incentivo para fazer o mesmo em minhas dificuldades.
 
Vi pessoas aparecendo no momento e no lugar certos. Mas não foi acaso, foi porque perceberam que era a hora e o lugar para aparecerem. Sempre estiveram por perto. Vi que podemos ajudar de maneira precisa sem constranger ninguém a nada.
 
Vi pessoas amando incondicionalmente. Me deixou pensativo em como eu estou amando e como devo amar…
 
Vi pessoas dando aos outros aquilo que mais precisavam por acreditar que o outro precisava mais. Notei meu egoísmo latente! Preciso pensar mais nisto…
 
Vi pessoas ignorando o erro cometido e abraçando aquele que errou. Fiquei pensando que é melhor condenar os erros e acolher as pessoas ao invés do inverso ou ao invés de condenar tudo.
 
Vi pessoas alegres pelo simples fato de que um amigo está feliz, mesmo a própria vida estando um caos. Me fiz a pergunta: Quando foi a última vez que incentivei alguém a continuar acertando?
 
 
Vi muito mais coisas do que posso escrever num simples texto. O importante é o que isto modifica em mim. Cresci com tudo isto, me enchi de propostas para meu futuro. Mas cuidei para que as propostas não sejam mirabolantes a ponto de não conseguir cumpri-las. Não quero nada além daquilo que possa alcançar, nem quero nada que eu tenha de fazer um esfoço descomunal para conseguir. Quero fazer coisas simples para que eu tenha sucesso e este sucesso me estimule a fazer mais.
 
Que 2011 seja melhor que 2010!
 

Comentários estão fechados.