Escolhas

escolhas_1.jpg

Salvo engano eu já escrevi algo sobre isto, mas acredito que nunca é demais…

A nossa vida é feita de escolhas. O que eu vivo hoje é fruto de minhas escolhas de ontem. O meu amanhã é fruto das minhas escolhas de hoje. Não tem como ser diferente.

Numa forma humorística de encarar a coisa, vejo estas escolhas como a ponte Rio-Niterói. Uma vez que entrou na ponte não tem como voltar. Tem de cruzar a ponte para poder voltar. A nossa escolha é feita antes de entrar na ponte. Depois de entrar é viver a escolha que fizemos. Podemos fazer uma nova escolha depois de atravessar toda a ponte.

A vida é da mesma forma, escolhemos o nosso futuro e não o nosso presente. Depois que a escolha é feita só nos cabe vivê-la.

O meu objetivo aqui é alertar para estas escolhas. Muitas vezes modificamos nossos projetos para nosso futuro pensando apenas no presente, lembrando que depois de fazer nossas escolhas o retorno é bem improvável de acontecer. Ouvi muitas vezes a recomendação: "Faça a sua escolha e não olhe para trás". Isto, pra mim, significa pensar muito antes de escolher e depois de fazer as escolhas não perder tempo arrependendo das atitudes.

O que mais acontece é tomarmos decisões erradas (mesmo porque não sabemos o caminho certo, por isto temos obrigação de tentar os caminhos que nos parecem certos). Todas as atitudes geram consequências que serão vividas em sua integralidade. Podemos programar o nosso retorno ao ponto de origem ou em busca do caminho perdido. É bom lembrar que nada disso será conseguido sem luta. Temos de lutar, temos de esforçar e, consequentemente, iremos sofrer (o sofrimento é parte das consequências).

Algumas perguntas podemos nos fazer:
– O caminho que estou seguindo é realmente o que eu quero?
– Vou me arrepender dos projetos que "abortei" em detrimento de outros?

Depois de fazermos escolhas fatalmente iremos envolver pessoas nelas. Abortar estas escolhas significa:
– Admitir que erramos ao escolher
– Causar sofrimento aos envolvidos

É bom lembrar que nem sempre iremos conseguir escolher novamente a mesma escolha que perdemos no passado, principalmente se esta escolha envolver pessoas (a vida é dinâmica para todo mundo). Uma escolha que deixamos de fazer, deixamos de envolver determinadas pessoas e estas fazem outras escolhas. Abortar a nossa escolha significa que podemos nos colocar no ponto em que estávamos antes de escolher, mas não significa que outras pessoas façam o mesmo.

Pode até parecer estranho o que estou dizendo, mas vi algo relacionado a isto estes dias. A minha intenção não é colocar medo de decidir ou escolher, mas estimular certeza nas decisões. É muito ruim abrir os olhos e ver que poderíamos ter agido de forma diferente e termos um resultado completamente diferente do atual.

Você faz suas esolhas e suas escolhas fazem você
Shakespeare

Comentários estão fechados.