Doação de Sangue

 

Doar Sangue

 

Há algum tempo atrás uma pessoa me pediu para fazer uma doação de sangue para a filha de um outro amigo que passou por algumas cirurgias.

Como já havia doado outras vezes é óbvio que me prontifiquei. Processo é rápido e não me custa nada…

Fiquei surpreendido com várias coisas:

  1. Agendei o horário para fazer a doação. Cheguei uns 15 minutos adiantado. Me chamaram pontualmente no horário combinado.
  2. Após uma consulta médica e responder a um questionário imenso (com perguntas interessantes como: Já praticou sexo com prostituta? Já praticou sexo com pessoas do mesmo sexo? Já foi preso? Já usou drogas como maconha, cocaína, heroína e etc?) fui para uma sala onde se faz um pequeno exame de sangue para verificar se não estou anêmico (pra ver se meu sangue é mesmo do bom).
  3. O exame de sangue antigamente era uma “singela” estiletada no dedo. Hoje eles usam uma espécie de canetinha que espeta o dedo, mas a coisa é tão sutil que sinceramente não senti dor alguma. Exame feito (numa maquininha interessante) e tudo está ok.
  4. Fui para um lugar para fazer um lanche (eles chamam de “Lanche de Pré-Doação”). Dois pedaços de bolo (muito gostosos) acompanhados de um copo de suco. Veio a calhar, estava sem almoço.
  5. Assepcia dos braços e lá vou eu para a sala de doação.
  6. Muitas pessoas sentadas nas cadeiras já doando. Aguardei minha vez (ansioso, né?).
  7. Minha vez: Sentei e comecei a conversar com a senhora que iria colher o sangue. E se ela não pegasse a veia na primeira vez? E se ela tivesse a “mão pesada”?
  8. Para minha surpresa novamente não senti praticamente nada. O garrote (borracha que usam para amarrar o braço para a veia ficar mais visível) incomoda muito mais do que a agulha.
  9. Depois de 10 minutos alguma coisa abaixo da cadeira onde eu estava (e para onde ia a mangueirinha com meu sangue) apitou indicando o fim do processo.
  10. A pessoa que me atendeu ainda encheu alguns tubinhos com meu sangue para análise (afinal de contas não é todo dia que alguém com um sangue tão bom passa por lá).
  11. Ainda me seguraram mais uns 5 minutos para que o buraco aberto pela agulha fechasse e não gerasse um hematoma.
  12. Saindo de lá, um novo lanche. Obviamente este é chamado de “Lanche Pós-Doação” e é mais generoso (rsrs): Um belo sanduíche, outro copo de suco, iogurte e um pedaço de doce. Agora eu entendo o motivo de um amigo dizer que quando ele está no centro da cidade e quer encher a barriga gratuitamente é só doar sangue.
  13. Resumo: Estava agendado para as 13:20. As 14:00 eu estava do lado de fora indo embora meio zonzo.

Tudo isto que estou dizendo é para incentivar a todos fazerem doação de sangue regularmente. Nós homens podemos doar de 3 em 3 meses. Já as mulheres é de 4 em 4 meses. Acho que é devido ao material genético refinado…

Tirando toda brincadeira, o convite é sério: Vamos deixar o comodismo de lado e doemos sangue regularmente. Não tem nenhuma contra-indicação e não causa mal algum. Com certeza seremos orientados caso não possamos fazer a doação. Mas tentar é preciso.

Já deixei meu telefone para entrarem em contato comigo quando for a hora de doar novamente. Vou fazer disto um hábito…
 

Comentários estão fechados.