Caridade que faz diferença

 

Caridade

 

 
Quanto custa fazer alguém feliz?

Será que com R$1,00 eu faço alguém feliz? Ou eu preciso de algo mais para fazer alguém feliz?

Ou será que a felicidade não há como ser comprada com dinheiro?

Eu tenho algumas gratas experiências que me fizeram muito feliz e que, certamente, deixaram algumas pessoas felizes.

A verdadeira caridade parte de dentro pra fora (e nunca inverso). Nasce da vontade de não ver o sofrimento alheio e termina em alguma atitude neste sentido.

Sempre precisamos ver alguma cena comovente para nos condicinarmos (mesmo que por alguns instantes apenas) a fazer alguma coisa positiva em prol daquele que sofre. As enchentes no sul do Brasil fizeram muitos fazerem doações daquilo que não usavam mais. Mas e aqueles que moram bem pertinho e que passam por necessidades semelhantes (ou até piores)?

Avalie-se e responda (para si mesmo) quando foi a última vez que visitou um viaduto para perguntar como vai a vida de quem mora por ali? Quando foi a última vez que ofereceu a mão para ajudar a levantar alguém que caiu na rua? Quando foi a última vez que pagou um lanche para aquele que te pediu um pedacinho do seu enquanto estava comendo?

É… Eu sei… São perguntas difíceis de serem respondidas… Não se assuste se a resposta para todas elas for um “não sei” ou “nunca fiz nada disso”. É o comum que vemos hoje em dia no nosso mundo.

Felizmente existem pessoas que pensam diferente e destoam do comum agindo como verdadeiros Cristãos em meio a um mundo tão turbulento.

Fiquei feliz hoje quando uma grande amiga me contou uma experiência que teve com uma senhora que precisava de dinheiro para ir a um hospital levar a filha para um atendimento. Ela agiu com amor ajudando aquela senhora sem pensar se ela realmente precisava ou sequer se estava dizendo a verdade. Ajudou sem olhar. Fechou os olhos para as aparências e para as convenções sociais. O exemplo dela é contagiante. Me fez lembrar que já faz um certo tempo que não deixo uma cesta básica no carro para alguém que precisa.

Falando em cesta básica, vocês sabem o preço de uma nos supermercados? É algo em torno de R$35,00. Vou fazer (como já fiz no meu passado não distante) o hábito de manter uma cesta no carro para oferecer a quem precise. Tocou o coração, levou a cesta de presente. R$35,00 não é praticamente nada e pode ajudar alguém a matar a fome. Não vai resolver o problema mas vai ajudar.

Sabe o que eu peço em troca? Que a pessoa faça o mesmo por alguém que esteja precisando. Se não puder doar nada material, faça uma prece com o coração aberto, pois estará ajudando do mesmo jeito.

Se você não tem como oferecer algo material, ou tem resistência nesta questão, faça algo que não custa um centavo sequer. Vá a um abrigo (ou creche, ou orfanato) fazer uma visita. Mas não vá apenas uma vez. Faça um hábito semanal. Algo do tipo: Todos os sábados eu vou visitar durante uma hora. Converse com as crianças. Com certeza na primeira semana você não vai conseguir falar com quase nenhuma. Mas com pouco tempo elas estarão penduradas em você brincando (criança é sempre espontânea). Não precisa conversar sobre a vida delas (é sempre triste), mas sobre qualquer assunto. Descontrair mesmo. Não vai custar nada e eu tenho certeza absoluta que você vai sair de lá muito melhor que entrou (por experiência própria, pois já fiz isto durante alguns anos).

 

Comentários estão fechados.