Coragem

 

Cão Coragem

 

Nunca cansamos de recomendar isto para os outros. Mas e quando a coisa se vira para nós? Será que temos coragem?

Mas a minha intenção aqui é perguntar diferente: Vale a pena sermos 100% corajosos? Ou: Qual é o limite da coragem?

A minha proposta é sempre encarar a vida com coragem, mas com ressalvas nesta valentia toda.

Sempre divulgo que o medo é limitador, nos poda e nos cerca. Mas até quando isto não é ruim? Encarando o medo absoluto como um extremo e a coragem absoluta como outro, qual é o ponto de equilíbrio?

Analisar os extremos é sempre mais fácil, então vamos lá.

O corajoso (ao extremo) não teme nada. Andar por uma viela mal iluminada e em altas horas da noite é tarefa simples. Correr a 160 Km por hora numa estrada com seu carro é motivo de orgulho. Não fugir de nenhuma briga é sinal de respeito. Encarar bandidos armados é o seu atestado de super herói. Pronto, mostrei aqui algumas das muitas atitudes suicidas que o corajoso tem. É um forte candidato a ser assassinado, é um forte candidado a aumentar as estatísticas de mortes no trânsito devido a imprudência. Mas foi corajoso! E o que a coragem lhe rendeu?

O medroso (ao extremo) teme tudo. É engraçado como a palavra medroso soa como um palavrão… Mas quem se encontra nesta característica tem medo de coisas banais e que não inspiram medo até em crianças. Tudo lhe é motivo de fuga. Encara a si mesmo como o mais fraco oponente em todos os sentidos. Ao surgir um problema prefere fugir do que resolver.

O corajoso tem ação ilimitada e o medroso é exatamente o contrário: É limitado em tudo!

Devemos ter coragem sim, pois algumas soluções em nossa vida requer coragem mesmo. Mas devemos temer o nosso futuro para que estejamos limitados. Reconhecer nossos limites é imprescindível para o nosso bem estar. Tenho coragem para enfrentar meus medos, mas tenho a consciência que sou feito de carne e osso, com isto posso falhar e minha falha por me trazer consequências bem sofridas.

Falando de forma bem clara, objetiva e funesta: O cemitério está lotado de corajosos! E os medrosos lotam as clínicas psiquiátricas e consultórios psicológicos…

Então vale a pena ser medroso? Eu digo que não! Da mesma forma que não vale a pena ser corajoso. A coisa tem de ser dosada visando o equilíbrio. Falando em limites: Não vale a pena ser ilimitado assim como não vale a pena ter todos os limites apertados.

Ser corajoso extremista equivale ser um suicida em potencial. Ser medroso extremista equivale ser paranóico.

Não queremos nenhuma destas definições para nós, certo? Então, enfrentemos os problemas que a vida nos mostra mas tenhamos cuidado no trato com estes problemas (lembrando sempre que nós somos feitos de carne e osso como todo mundo é).

Coragem é boa, mas tem de ter uma boa dose de medo, que é o tempero essencial para que tenhamos uma vida equilibrada.

 

Para quem gosta de desenhos animados e conhece o cachorrinho que coloquei como ilustração sabe que ele encerra a coragem e o medo ao mesmo tempo… Sim! Eu adoro desenhos animados! rsrs

Comentários estão fechados.