Mudanças

 

Mudanças

 

Estamos em constante mutação desde que nascemos, já perceberam isto?

Não falo das mudanças físicas porque isto é muito óbvio (estamos envelhecendo e ainda não existe nenhuma fonte da juventude). Mas falo das mudanças psicológicas mesmo.

Não existe nenhuma pessoa que pode afirmar que não mudou em nada de um ano para outro. Falei num espaço de um ano mas as mudanças ocorrem em tempo bem menor que isto. Diria que acordamos todos os dias diferentes… Mas não vou entrar nesta questão.

A vida nos mostra os caminhos que devemos ir por conta própria e se recusamos ir a própria vida se encarrega de nos guiar para lá. Normalmente a segunda opção é acompanhada de dor (e/ou sofrimento).

É exatamente nisto que quero me ater neste texto. Temos sempre duas opções de mudanças. Podemos mudar por conta própria (que é bem tranquilo) ou podemos esperar que a vida nos proporcione situações que nos obrigue a mudar.

Querem um exemplo. É bem fácl. Numa delegacia de polícia daqui de Belo Horizonte há um cartaz que diz assim: “Eduque seu filho, caso contrário nós o educaremos por você!”. É uma frase bem forte, mas que retrata uma realidade muito grande. Não estou jogando a responsabilidade para os pais mas para os filhos. Nós temos todas as oportunidades de aprender o correto com carinho, com respeito e sem violência dentro do lar. Mas se não quisermos isto, não tem problema. A vida se encarregará de nos ensinar a agir corretamente. Com certeza com dor E sofrimento.

Não precisamos sofrer por nada neste mundo se reconhecermos as imposições que vida nos faz. Busquem aí na memória todas as vezes que sofreu. Garanto que em todas havia uma segunda opção que se tivesse sido anteriormente escolhida o sofrimento não teria acontecido. É bem comum (pelo menos comigo) pensar: “Se eu tivesse agido de outra forma nada disto teria acontecido…” numa lamentação interminável por um fato desagradável que ocorreu.

Como sou muito observador é relativamente fácil fazer uma relação entre o sofrimento e o comportamento atual. Tem pessoas que sofreram muito e tem atitudes que nunca levariam a este tipo de sofrimento. Mas investigando a vida pretérita é possível ver que o comportamento anterior ao sofrimento era bem diferente, ou seja, mudaram por extrema imposição da vida.

Mas tem outras pessoas que, infelizmente, sofreram muito (muito mesmo) mas continuam na mesma linha de pensamento e comportamento. Eu nunca falo isto diretamente para ninguém (não me acho no direito disto). Mas teve uma pessoa que eu disse: “Não sei quais sofrimentos que você teve em sua vida, mas prepare-se para mais”. É óbvio que a pessoa riu disto tudo. E chorou dois anos depois me contando o caos que a sua vida havia virado. Não sou adivinho, mas tem coisas que estão tão na cara que até meu filho de cinco anos é capaz de dizer com extrema segurança.

Dia após dia eu vejo esta característica nas pessoas e eu sempre lamento profundamente por estarem nesta condição. Lamento porque não gosto de ver sofrimento de ninguém (por pior que seja). Tento ajudar (juro que tento), pois saber que o sofrimento é resultante das (más) escolhas não justifica o cruzar de braços. Então ajudo sim. E quando a pessoa é alguém que gosto só falta eu sofrer junto…

Tem uma “meia dúzia” de pessoas que eu mantenho sempre um olhar atento por saber que irão passar por poucas e boas (e não vai demorar). Torço para que eu tenha condições de ajudar em alguma coisa…

Este texto é (quase) um apelo. Vamos prestar atenção no que podemos mudar positivamente em nossa vida para que mais tarde não tenhamos que mudar por imposição (através do sofrimento).

 

Comentários estão fechados.