Filhos e Formação de Personalidades

 

Pai e Filho

 

Existem inúmeras pessoas dizendo muita coisa sobre formação de personalidade das crianças.

É tanta gente falando tanta coisa que não dá para nós (pobres mortais) decidir se algo é bom ou ruim, pois tudo tem uma boa justificativa.

Mas algumas coisas eles falam em uníssono e são estas coisas que devemos ter atenção ao lidar com crianças. É óbvio que não vou lembrar de tudo, mas tem algumas que não me saem da cabeça e tento seguir a risca com meus filhos:

  • Criança tem os pais como referências. Se o pai (ou a mãe) fala uma coisa eles acreditam. Portanto se eu disser ao meu filho que ele é burro passará a admitir isto como verdade dali pra frente. O resultado disto é dificuldades no aprendizado e no raciocínio (preguiça para raciocinar).
  • Não devemos esperar dos filhos atitudes diferentes das nossas. Então se temos o hábito de fazer alguma coisa errada, eles também farão como se isto fosse normal. E se quiser piorar as coisas basta corrigí-lo sem preocupar com as próprias atitudes. Normalmente eles falarão que fazem porque nós também fazemos (menos mal, porque nos apontaram o nosso erro, pior se não disserem nada).
  • Dê atenção! Isto é o mínimo que eles esperam. Aos cinco anos normalmente a criança fala como se fosse um papagaio elétrico (rsrs). Ouça o que ela diz! Não despreze nem ignore. Mas faça mais do que simplesmente ouvir: Opine! Mostre que o assunto que ela traz é importante para você. Ela vai ter segurança para lhe contar tudo.
  • Imponha limites. Criança espera por isto. Inclusive faz questão de testar estes limites o tempo todo. Por isto desobedecem, teimam em fazer coisas erradas, etc. O limite deve ser sempre imposto. Criança não pode fazer tudo o que quer. A correção não precisa ser feita com violência. O castigo dói muito mais do que uns tapas. E quando a criança atinge a fase adolescente, uma boa conversa (sem agressões) dói muito mais do que um tapa.
  • AME! Nunca esconda isto de seu filho! Não deixe que ele perceba o seu amor pelas vias extra-sensoriais! Seja direto e diga abertamente: EU TE AMO! Deixe isto claro. Não deixe que ele tenha dúvidas quanto a isto. O mundo pode desabar, mas a certeza de seu amor por ele não pode deixar de existir.
  • Peça desculpas. Não é porque somos adultos que nunca erramos (todo mundo sabe disso, não é?). Quando cometer algum erro com seu filho, vista a carapuça e peça desculpas pelo erro cometido. Assuma que cometeu o erro e não tente se justificar. Errou e pronto! Está ali reconhecendo que errou e está se propondo a não errar novamente. Lembre-se que não se justifica um erro com outro erro, ou seja, dizer que erramos porque ele errou primeiro só vai piorar as coisas. O correto é: EU COMETI UM ERRO. PERDOE-ME! Independente se ele cometeu um outro erro primeiro ou não e independente se ele vai reconhecer o próprio erro ou não. Caso ele não reconheça, mais tarde (quando a poeira assentar) converse com ele sobre o que ele fez.
  • Não lhe aumente o sofrimento. Muitas vezes a criança (ou adolescente) comete um erro e sofre por ter cometido. Então este é o momento de agir como pai (ou mãe) acolhendo nosso filho que sofre sem cutucar a ferida aberta. Se pararmos para raciocinar a maioria das brigas acontecem porque eles não assumem os erros (lembre-se da questão de “testar limites”) então nos esforçamos para que eles vejam que erraram. Neste caso, porém, eles já sabem que erraram então é desnecessário o nosso “reforço” nesta questão.

É óbvio que não pára por aqui… Se eu for falar tudo dá pra escrever um livro. Mas é o começo. Mantenho tudo isto na minha mente na hora de lidar com meus filhos. É claro que não sou perfeito e é claro que eu erro muitas vezes, mas me esforço por me manter na linha.

 

Uma Resposta to “Filhos e Formação de Personalidades”

  1. waldir silva Says:

    Muito bom….