Dos Males o Menor

 

Males

 

Sempre dizemos isto numa forma de tentar minimizar alguma coisa ruim que nos acontece. Mas como é isto? Por que temos de nos conformar com um mal menor?

É algo que sempre me incomoda um pouco quando alguém pronuncia esta frase para tentar me colocar pra cima quando algo de ruim me aconteceu.

Eu não quero me conformar com a coisa ruim que me aconteceu apenas porque poderia ser pior. Convenhamos que isto não serve de consolo em tempo algum.

Ao mesmo tempo eu não fico “no prejuízo” amargando o acontecimento ruim sem tentar sair do lugar.

É aí que eu uso a filosofia (santa filosofia que já me tirou de poucas e boas).

Vamos pensar sobre as coisas ruins que nos acontecem? Uma pessoa certa vez, tentando me vender um processo terapeutico, me perguntou:
– O que, em sua vida, você gostaria de esquecer?

Em princípio é fácil escolher este ou aquele fato no nosso passado que queremos simplesmente apagar da história. Mas antes de responder eu pensei. E a minha resposta foi:
– Não gostaria de esquecer nada porque o que eu sou hoje é baseado em tudo o que eu vivi de bom e de ruim no meu passado!

Eu até entendo que todos nós temos pequenos traumas. Acontecimentos que modificaram negativamente a minha personalidade. Mas não vai ser esquecendo estes acontecimentos que vou melhorar minha personalidade. É até fácil chegar a esta conclusão, basta ver a linha de tempo em nossa vida. Observem:
– Aos 13 anos acontece um fato desagradável em minha vida;
– A partir deste momento eu passo a modificar meu comportamento por causa do que sofri;
– Aos 40 anos de idade a minha personalidade já está formada e teve como base (para algum desvio) aos 13 anos.

Ok. Aí alguém vem com uma técnica especial (que fiz questão de não entender, é bom deixar claro! rs) e me faz esquecer o que eu vivi aos 13 anos e que me fez mudar.

Muito bem. Eu esqueço o que aconteceu mas a mudança está consolidada em minha vida. Ou seja, de nada vai adiantar eu esquecer, aliás, só vai servir para me confundir ainda mais porque se eu esqueço posso (em algum momento) me questionar os motivos do meu comportamento atual (que teve início aos meus 13 anos.

Toda esta historinha é para ilustrar a minha filosofia pessoal que me diz que toda situação ruim me serve de experiência para que eu me cuide no futuro. Se privarmos uma criança de tomar choque elétrico fatalmente terá algum acidente no futuro ao manusear erroneamente algum equipamento conectado à eletricidade. Ajude uma borboleta a sair do casulo e ela nunca voará por não ter exercitado suas asas. Então sempre aprendemos com as dificuldades (e isto nunca é diferente onde quer que estejamos).

Alguns dizem que as dificuldades nos fazem melhores. É uma pena que muitos ainda insistem em não aprender com as dificuldades (porque aí é sinal que uma dificuldade maior ainda virá para fazê-lo aprender de uma forma ou de outra).

O fato é que não somos super-heróis e com isto não conseguiremos evitar sofrimento.

E se você tiver a brilhante idéia de tentar evitar sofrimento saiba que o ato de “evitar sofrimento” causa um sofrimento muito maior do que o sofrimento evitado!

Como agir então? Simples. Assimile o sofrimento. Aconteceu? Não se impeça de sofrer. Sofra. Chore. Coloque pra fora seu sentimento. Seja um ser humano normal. Com certeza sofrerá menos e por menos tempo do que tentar se fazer de forte.

Vai consolar alguém por algo ruim que aconteceu na vida dela? Pelo amor que você tenha a Deus e a esta pessoa, não diga frase “DOS MALES O MENOR” porque além de não consolar só faz revoltar! Ao contrário disto, mostre a ela que existem pontos positivos em tudo o que aconteceu (mesmo que seja apenas a experiência dos fatos) e ofereça apoio (mesmo que seja apenas um ombro e um par de ouvidos).

 

Uma Resposta to “Dos Males o Menor”

  1. Guto Says:

    Fala primo!
    Esse texto me serviu demais pro que estou passando hoje. Muito bacana!
    Quando a gente está confuso, nem mesmo lembramos de que as dificuldades e os problemas também geram um resultado positivo em nossas vidas.