Meu Aprendizado

Aprendizado

É tão difícil relatar com precisão tudo o que eu já aprendi…
 
Mas tem algumas coisas que posso dizer pois são os ensinamentos que me norteiam no momento. É óbvio que com o passar do tempo outras coisas irão me nortear porque eu terei vivenciado outras experiências.
 
Aprendi que:
  • Não importa o quanto tentemos agradar, sempre desagradaremos alguém. Sempre haverá alguém que não gostará nem um pouquinho daquilo que somos ou de como vivemos nossa vida. Sempre haverá alguém que terá um imenso prazer em discordar de tudo o que falarmos ou fizermos. Tenho de saber lidar com isto!
  • Sempre vou decepcionar alguém. Venhamos e convenhamos: Não sou perfeito e, com isto, cometo erros. Acredito que o verdadeiro erro seja de quem acha que sou perfeito, mas não vou entrar neste "detalhe". Todas as vezes que alguém me coloca num pedestal (e olhe que eu nunca pedi para estar num lugar destes) vai me tirar de lá para o lixo assim que eu cometer o primeiro erro e sem me dar sequer o direito de argumentar em meu favor. Curiosamente a mesma pessoa que me viu como Deus se torna meu Juri, meu Juiz e Carrasco num piscar de olhos.
  • Nunca sei tudo. Por mais que eu estude e por mais que eu aprenda tenho de ter a certeza que sempre há o que aprender. Já me surpreendi com coisas que aprendi vindo dos lugares (ou pessoas) que nunca imaginei que pudesse me ensinar e é exatamente por isto que eu sempre estou aberto para aprender.
  • Por mais atencioso que eu seja vou sempre encontrar pessoas que acharão que eu deveria ser mais ainda. Pessoas que irão pensar que eu deveria dar mais atenção ou que me exigirão coisas das quais não sou capaz de dar (ou de fazer). Isto com certeza me ensina a não fazer o mesmo com as pessoas que eu gosto.
  • Minha felicidade não pode depender de coisa alguma ou de pessoa alguma. Se minha felicidade depender de alguma coisa e esta coisa sumir, leva junto minha felicidade. Da mesma forma se eu vincular minha felicidade a alguém (somos seres individuais vivendo em bando). Posso até ser feliz com determinada coisa ou com alguém, mas não posso fazer disto uma dependência (senão é sinal que vou ter problemas no meu futuro).
  • Acima de tudo sou uma pessoa digna. Com isto não existem motivos fortes o suficiente para me fazer agir contra minha consciência. Não existem motivos que me façam fazer algo que eu possa me condenar no futuro. Eu disse que não existem motivos e não que eu estou imune de cometer erros. Se eu cometo erros estou consciente deles (são para mim uma forma de traçar o caminho do acerto).
  • Posso sonhar (e isto me faz bem) mas tenho de ter os pés no chão. Sonhos são uma coisa e realidade é outra bem diferente. Posso até traçar planos para que meus sonhos se concretizem, mas tenho de lembrar que tudo está no campo das hipóteses. Ou seja, pode ou não dar certo.
  • Se eu planejar há uma grande chance de ser auxiliado em meus intentos (quando bons). Sendo assim, planejo minha vida para que eu não tenha surpresas desagradáveis (planejamentos são diferentes de sonhos). Só  tenho de tomar cuidado para que meus planos de ser feliz não esbarrem numa coisa simples: A infelicidade dos outros. Ser feliz pisando em alguém é algo que (definitivamente) não é bom.
  • Não vou conseguir mudar ninguém. Tenho de, no máximo, colocar minha opinião. Mas as mudanças alheias não sou eu quem faz. Ainda bem que é assim, pois isto significa que as minhas mudanças sou eu quem faço independente do que os outros pensam ou queiram.
  • Não sou fraco por não dar a última palavra num debate qualquer. Muitas vezes o silêncio é sinal de força (mesmo que ninguém reconheça isto).
  • A razão não precisa de defesa. Não preciso provar para ninguém que estou certo porque se eu estiver errado as provas contra mim surgirão aos montes.
  • Confiança é algo muito difícil de ser conquistada, mas é muito fácil de ser perdida. Portanto eu tenho de ser cuidadoso com meus atos e palavras.
  • Botar a boca no trombone pode me causar alívio nas minhas dores emocionais, mas eu tenho de ser comedido para não ofender ninguém.
  • A verdade é algo muito bom, mas eu tenho de dosar a verdade sobre as pessoas para não ferir ninguém e para não agir com crueldade.
  • Viver reclamando da vida pode ser muito bom para desabafar, mas causa um mal estar em quem nos ouve. Então é bom tomar cuidado em meus desabafos.
  • Devo ser para os outros exatamente aquilo que queremos que os outros sejam para mim. Mas acima de tudo devo respeitar as limitações alheias quando isto não acontecer.
  • Falar da vida alheia nos faz pessoas rudes e não conseguimos (por causa disto) ter respeito de ninguém.
  • A maioria das pessoas age de forma errada e insensata. Então ser como a maioria não é ser bom. Bom mesmo é ser diferente, mesmo que isto seja motivo de piada para os outros. Honestidade e idoneidade não deve ser, para mim, motivo de vergonha.
É claro que tudo isto que escrevi não é tudo o que eu aprendi, mas é (como eu disse) parte das coisas que me norteiam neste mundo.
 
 
Escrever e pontuar isto é bom para mim para que eu sempre lembre. Façam o mesmo! O que vocês aprenderam até o presente momento? 

Comentários estão fechados.