Orgulho

 orgulho.jpg
Muita gente confunde este "estado d’alma" (digamos assim).
 
Alguns vêem o orgulho como algo que se deve ter para garantir algum sucesso. A boa notícia é que grande parte das pessoas conseguem enxergar a verdadeira face do orgulho que nada tem de bom.
 
Vou tentar dimensionar as coisas aqui e até traçar propostas para combatê-lo.
 
O dicionário tem uma definição interessante: Manifestação do alto apreço ou conceito em que alguém se tem.
 
Traduzindo para uma expressão muito usada na atualidade: É a pessoa que se acha! rsrs
 
Conviver com uma pessoa assim é muito ruim. O orgulhoso é sempre o dono da verdade (ninguém tem mais conhecimento do que ele), o melhor (acima dele só Deus), tem as melhores saídas, as melhores soluções, as melhores frases, etc, etc, etc…
 
Mas o orgulho se manifesta de maneira muito sutil na maioria das vezes. Quando está na forma explícita é fácil de combatê-lo. O problema que massacra a maioria da população é porque ele se mantém sutil e disfarçado sob "n" formas.
 
Por exemplo: A timidez pode ser uma das facetas do orgulho, onde o tímido não quer se colocar na posição de ser avaliado. Aquele que "não leva desaforo pra casa" é o mesmo que não admite calar enquanto o outro está desequilibrado, é o mesmo que não reconhece a superioridade do silêncio quando os ânimos estão exaltados. Ou seja, é a pessoa que se considera melhor portanto tem que emitir algo "acima" do que recebeu.
 
Um outro exemplo de orgulho (e que pega muita gente): Tente se lembrar quando foi a última vez que sorriu para um mendigo (se é que já fez isto alguma vez na vida). E não tem costume de fazer por quê? A resposta é simples (e é em forma de outra pergunta): O que as pessoas pensarão de mim? Ou, sendo mais jovial: Vai queimar o meu filme! É só eu que vejo o orgulho aí ou tem mais pessoas que vêem isto também?
 
Se fosse alguém trajando um terno e gravata (desde que não tenha uma Bíblia debaixo do braço, porque há uma discriminação com evangélicos também) não haveria problema algum.
 
Só mostrei os problemas (uma mínimo deles, pois a coisa é muito maior do que podemos imaginar) e para problemas existem soluções. Só devemos ter cuidado para a solução não virar outro problema.
 
Vamos lá.
 
De que adianta eu tentar lugar contra o egoísmo se sei que não vou conseguir vencer esta batalha?
 
Não. Não estou dizendo que temos de acomodar e deixar o orgulho tomar conta de vez. Mas eu associo o orgulho como aquele tumor que não pode ser tirado de imediato. Os médicos usam um artifício muito interessante: Cortam o suprimento de nutrientes que fazem com que ele evolua. Com a falta de nutrientes o tumor tende a morrer.
 
Podemos tratar o orgulho da mesma forma. Não iremos conseguir retirá-lo de nós de uma forma imediata. Mas podemos cortar suprimentos que o sustenta.
 
Podemos fazer pequenas modificações em nosso comportamento, aquelas modificações que damos conta de fazer, aquelas que não exigem um esforço muito grande, mas um esforço insignificante.
 
Podemos retirar de nós pequeninos defeitos que, com o tempo, o esforço em conter estes pequeninos defeitos passa a ser natural. Aí podemos dizer que não temos mais este pequenino defeito. Com isto podemos concentrar nossos esforços em outro pequenino defeito. Sempre iremos nos concentrar nos defeitos pequenos, nunca nos grandes. E aí observem a beleza da coisa:
Quanto mais vencemos nossos pequenos defeitos, mais nos fortalecemos.
Quanto mais nos fortalecemos o que antes era grande hoje é pequeno.
E se é pequeno podemos vencer (aquilo que antes era impossível).
 
É o combate ao orgulho que eu considero mais eficaz. Combatendo os sustentáculos do orgulho (sem atacá-lo diretamente) com certeza conseguiremos vencê-lo sem muita dificuldade.
 
Tenham em mente que se fizermos mudanças radicais a mudança não irá durar muito tempo. Então é melhor fazermos mudanças onde não nos cause um transtorno muito grande.
 
Mãos à obra. Temos um longo e árduo trabalho pela frente!

Este assunto não termina aqui. Há muito o que falar ainda! Outro dia volto neste mesmo assunto ampliando mais um pouco.
 

Comentários estão fechados.