Ilusão

mascara.jpg

Este é mais um tema que eu tive de aprender na marra! Sabem aquelas coisas que ou aprendemos ou sofremos? Normalmente eu vou pelo caminho do sofrimento antes de me propor a aprender. E quando chego a escrever é porque o aprendizado está sendo consolidado… 
 
Estamos iludidos todas as vezes em que acreditamos em algo que sabemos que não será concretizado. Mas mesmo assim preferimos gastar o nosso tempo e energia nesta crença que não nos levará a lugar nenhum. Quando "a ficha cai" e vemos que o óbvio está acontecendo ficamos revoltados dizendo que fomos iludidos.
 
Na grande maioria das vezes (para não dizer em todas) que nos sentimos iludidos a pessoa que (supostamente) nos iludiu não fez nada com esta intenção, o que me leva a crer que a ilusão foi iniciada e alimentada por nós mesmos. Ficamos cegos para um fato e não damos ouvidos à razão.
 
O remédio para a ilusão eu já mencionei: A razão! Dar ouvidos a razão é um grande remédio para a ilusão. Mas cuidado na dose. Razão demais nos torna secos, ásperos e de difícil convivência. É só uma dose pequena de razão para dar conta de (e apenas de) vencer a ilusão e nos colocar no caminho oposto.
 
Eu andei pensando sobre como a ilusão é ilógica e até teci um exemplo (bobo mas bem didático):
Uma pessoa caminhando no deserto chega a beira de um oásis com uma água límpida e cristalina porém com uma placa dizendo que está envenenada (com alguns animais mortos próximo indicando que a inscrição é verdadeira). Ele pode ficar ali olhando para a água (iludindo-se) ou movimentar-se em busca de outra água que sirva para matar a sua sede (razão).
 
Seja lá o que fizermos de nossa vida não podemos culpar os outros de nos iludir porque o sentimento é nosso é nós somos os únicos responsáveis pelo seu nascimento, crescimento e fortalecimento.
 
Então, desça desta carruagem linda puxado por belos cavalos que eu te mostrarei que se trata apenas de uma bela abóbora com ratos…
 

Comentários estão fechados.