Confiança

confianca.jpg

O quanto devemos confiar nas pessoas?
 
Eu diria que esta é a pergunta que não se tem resposta. As variações são infinitas e a minha impressão de determinada pessoa não representa o que a pessoa realmente é.
 
Qualquer que seja o grau de confiança que depositar em alguém tenha sempre em mente que a chance de você decepcionar com ela é grande. Isto porque somos todos seres humanos e como tal não somos perfeitos.
 
A decepção que tivermos com alguém não significa que devemos nos fechar para outras pessoas. Ao contrário! Deveria nos servir de incentivo e de alegria por ainda estarmos abertos às pessoas.
 
Eu só decepciono porque confio. Pior seria se não confiasse em ninguém.
 
Não estou aqui desprezando a dor que a decepção causa (porque realmente dói). Mas quando a poeira baixar tente observar o que de bom ficou (sempre fica alguma coisa boa). E se não conseguir ver é sinal que a poeira ainda não baixou o suficiente, ou seja, aguarde mais um pouco.
 
A confiança é algo que é conquistado ao longo de um tempo. Quanto mais longo for o tempo levado para que a confiança seja conquistada menor o risco de decepções futuras. Isto porque ao longo deste tempo conhecemos a pessoa em quem estamos (aos pouquinhos) depositando nossa confiança.
 
De igual forma, quanto menos tempo levar para que a confiança seja conquistada maior o risco de decepções porque pode ser que a pessoa em quem confiamos não tenha estrutura para suportar o peso de nossa confiança e/ou maturidade suficiente para tal empreendimento.
 
Mas de qualquer forma a confiança ainda é algo bem delicado e como tal deve ser tratada (quando confiamos e quando alguém confia em nós).
 
Os maus exemplos servem de alerta para o que não devemos fazer. E em hipótese alguma, sob nenhuma circunstância, quebre a confiança de alguém. Termine a amizade, mas mantenha sua dignidade e sua honestidade para consigo mesmo!
 

Comentários estão fechados.