Mudanças

mudancas.jpg 
 
Estamos em constante mutação desde que nascemos (eu poderia dizer antes de nascer, mas vamos considerar apenas após o nascimento para não dar muita confusão).
 
As mudanças físicas são inquestionáveis mas a principal mudança não é a do corpo físico mas é a mudança de nossos pensamentos e comportamentos.
 
Tem uma frase bíblica que diz: "antes de conhecermos a lei o que conhecemos é a lei". Isto é a mais pura verdade e reflete bem o que estou querendo dizer aqui. A partir do momento em que apuramos o nosso conceito de certo e errado mudamos o nosso comportamento para pender para o lado certo.
 
Mas é exatamente aí que devemos nos cuidar. O nosso senso de percepção do certo e do errado é algo mutável (isto é fato, quanto mais amadurecemos melhor temos a noção do que é correto) e durante um momento difícil ficamos com nossa atenção desfocada de nossos ideais. É muito comum ouvirmos as pessoas dizerem que tomaram uma decisão errada porque estavam sufocadas pelos problemas.
 
O curioso é que sempre que algo desagradável acontece programamos algumas mudanças em tempo recorde. E o pior: Executamos estas mudanças como se elas fossem nos devolver a felicidade (teoricamente) perdida.
 
Aí eu vejo pessoas pintando o cabelo, mudando o estilo de roupa, mudando os hábitos sociais, mudando a forma como tratam as pessoas, etc (as possibilidades de mudanças são infinitas).
 
Fica a pergunta: As mudanças externas realmente tapam o buraco causado pela dificuldade? Eu tenho a mais absoluta certeza que a resposta é NÃO!
 
Quanto mais difícil for a dificuldade, menos visão nós teremos para enxergar todas as possibilidades de saída e (ao mesmo tempo) teremos uma chance enorme de errar em nossas escolhas.
 
Devemos nos permitir mudanças? Claro que sim! Mas mudar para tapar algum buraco normalmente geram outros buracos (e estes mais difíceis de serem tapados).
 
O que fazer então? Brincar de estátua! rsrs… Ou seja: Aconteceu uma dificuldade? Então não é o momento de fazer mudanças, é o momento de resolver a dificuldade. Nem que a solução seja assimilar o acontecimento (acostumar-se aos novos fatos para que não possamos sofrer por causa deles) para depois nos propor a alguma mudança (se for o caso).
 
E quando a mudança for irreversível? Se esta mudança foi feita durante um momento difícil é bem provável que a pessoa se arrependa mais tarde. Aí a mudança será outro problema que deverá ser assimilado (ou seja, o problema será um fato) e não corrigido com outra mudança.
 
A fórmula é bem simples: Enquanto houver problemas não é o momento de movimentar-se. A solução do problema deve ser focada ao invés de qualquer outra coisa.
 
Façam isto em benefício próprio!
 

Comentários estão fechados.